Wawrinka aplica virada, frustra sonho de Djokovic e conquista Roland Garros
Postado: 07/06/2015 às 15:49

Roland Garros

Wawrinka aplica virada, frustra sonho de Djokovic e conquista Roland Garros

Suíço acaba com invencibilidade de 28 partidas do sérvio, impede que o número 1 do mundo levante o desejado troféu e fatura segundo título de Grand Slam na carreira
Wawrinka com a Copa dos Mosqueteiros, o troféu de campeão de Roland Garros (Foto: Reuters)

Está sendo escrita uma história de drama entre Novak Djokovic e Roland Garros. Depois de duas tentativas frustradas pelo nove vezes campeão Rafael Nadal (nas decisões de 2012 e 2014), o atual número 1 do mundo foi superado, neste domingo, pelo suíço Stan Wawrinka na disputa pelo título deste ano do Grand Slam francês. Apesar de carregar nas costas uma invencibilidade de 28 partidas, o sérvio sucumbiu à própria ansiedade. De virada, com as parciais de 4/6, 6/4, 6/3 e 6/4 em 3h12 de jogo, o atual 9º do ranking da ATP acabou com o sonho de Nole em 3 sets a 1 e conquistou seu segundo título de Grand Slam na carreira.

Essa foi apenas a quarta vitória de Wawrinka em 21 duelos contra Djokovic, a segunda em Grand Slams. Na campanha do título do Aberto da Austrália em 2014, o suíço levou a melhor nas quartas de final por 3 sets a 2 (2/6, 6/4, 6/2, 3/6 e 9/7), antes de levantar o troféu ao derrotar Nadal na final.

Apesar da derrota, Djokovic recebeu os longos aplausos dos torcedores. Se emocionou bastante e chorou diante do carinho do público.

- Parabéns a Stan. Não é fácil falar agora, mas devo dizer que na vida há coisas mais importantes do que uma vitória: caráter e respeito. Respeito muito Stan. É um grande campeão e mereceu esse título. Agradeço a todo o público por fazer esse torneio extraordinário. Vou continuar tentando para ganhar esse troféu no ano que vem - declarou Djokovic na cerimônia de premiação.

Wawrinka recebeu a Copa dos Mosqueteiros, o troféu de campeão de Roland Garros, das mãos deGustavo Kuerten, que foi à partida trajando um elegante terno azul. A presença do ex-tenista na cerimônia foi uma homenagem ao maior ídolo do tênis brasileiro, que completou 15 anos do segundo título profissional no torneio (de três levantados).

- Foi o jogo da minha vida. É difícil de acreditar, estou tremendo ainda. Estou realmente muito orgulhoso. Jogar contra Novak foi um dos maiores desafios da minha carreira, porque sei o quanto ele queria este Roland Garros - disse Wawrinka.

Dono de oito títulos de Grand Slam, Djokovic segue sem o troféu de Roland Garros, o único que lhe falta para completar o “Career Slam”, ou seja, ganhar todos os Grand Slams pelo menos uma vez. Somente sete tenistas conseguiram esse feito: Fred Perry (1935), Don Budge (1938), Rod Laver (1962, 1968), Roy Emerson (1964), Andre Agassi (1999), Roger Federer (2009) e Rafael Nadal (2010).

O JOGO

Com a gana de quem estava louco para conquistar apenas o segundo Grand Slam da carreira, Wawrinka começou surpreendendo com a força nos golpes. O backhand do suíço é sempre respeitado, mas foi com a direita que ele mandou duas paralelas vencedoras, já dando o alerta a Djokovic de que a partida não seria tranquila. O game também teve um ponto de 39 trocas de bola, vencido pelo suíço. Apesar da vontade de sobra do rival, Nole não o deixou tomar conta do set. Num sétimo game desastroso de Wawrinka, o número 1 do mundo conquistou a quebra de zero, após dupla falta do oponente (4/3). Quando foi sacar para o set, Nole precisou de muita potência no serviço para salvar um break point. Em seguida, contou com uma bola do adversário para fora para fechar a parcial em 6/4.   

Wawrinka toma conta da partida   

Com uma atuação mais consistente, Wawrinka pressionou o líder do ranking praticamente a todo momento. No segundo set, Djokovic só não teve ameaçado o primeiro game de saque, quando confirmou de zero o serviço. Foram quatro quebras desperdiçadas até o suíço ter o esforço recompensado. E justo quando vencia por 5/4. O quinto break point também era o set point: depois de os dois trocarem bolas, Nole se viu cada vez mais na defensiva e acabou alongando demais uma esquerda, o que estabeleceu o empate. O sérvio destruiu a raquete e foi para o banco bastante irritado com sua atuação – tinha 30-0 de frente no game.   

Wawrinka deu prosseguimento ao bom momento no terceiro set. As bolas sempre bem fundas eram um tormento para o número 1 do mundo, que precisou salvar três break points logo no seu primeiro game de serviço. Stan dominou o sexto game e obteve uma quebra mais precoce que as anteriores, sem deixar Nole pontuar. Mesmo cometendo dupla falta, salvou break point e abriu 5/2 na sequência. Com tudo dando certo - até ponto por fora da rede marcou -, Wawrinka aplicou a virada ao fechar a parcial em 6/3, novamente de zero.

Abatido, Djokovic contou com uma queda de desempenho do adversário para abrir 3/0 no quarto set. No entanto, Wawrinka se recuperou rapidamente, devolveu a quebra após longa troca de bolas no quinto game e deixou tudo igual (3/3). Ainda sufocou o sérvio dois games depois para sair do triplo break point e empatar de novo o set (4/4). O suíço distribuiu paralelas e cruzadas matadoras de esquerda e se aproximou do título ao quebrar o saque de Nole. Um game separava Wawrinka da conquista. Com direito a match point salvo por Djokovic e break point bem defendido pelo 9º do ranking, Stan selou a vitória com mais uma esquerda na paralela.

A CAMPANHA DE WAWRINKA

Primeira rodada: 3 x 0 Marsel Ilhan (TUR) - 6/3, 6/2 e 6/3
Segunda rodada: 3 x 1 Dusan Lajovic (SER) - 6/3, 6/4, 5/7 e 6/3
Terceira rodada: 3 x 0 Steve Johnson (EUA) - 6/4, 6/3 e 6/2
Oitavas de final: 3 x 0 Gilles Simon (FRA) - 6/1, 6/4 e 6/2
Quartas de final: 3 x 0 Roger Federer (SUI) - 6/4, 6/3 e 7/6(4)
Semifinais: 3 x 1 Jo-Wilfried Tsonga (FRA) - 6/3, 6/7(1), 7/6(3) e 6/4
Final: 3 x 1 Novak Djokovic (SER) - 4/6, 6/4, 6/3 e 6/4

Compartilhar:

Fonte: Globoesporte.com



0  Comentário(s)


Escreva seu comentário aqui

Nome: (Opcional)
E-mail: (Não será exibido no comentário)
Comentário: